Há três dias as redes sociais foram surpreendidas com um post inusitado da marca de restauração Burger King, onde se podia ler a mensagem "Façam encomendas ao McDonald’s”.
O post que conta já com 131.000 likes e 30.000 comentários, no Twitter e mais de 70.000 likes e mais de 1000 comentários, no Instagram, está a ser aplaudido um pouco por todo o mundo naquilo que parece ser uma campanha de solidariedade e profundo altruísmo. A Burger King cita ainda na sua mensagem outras cadeias de fast food com o objectivo de ajudar as marcas e os funcionários que trabalham nestas cadeias de restauração, e que estão a passar por dificuldades por causa da pandemia.
Enquanto a Burger King UK apela ao sentido de entre-ajuda com uma mensagem de empatia, a mesma companhia nos EUA optou por uma campanha de confronto, normalmente designada por publicidade comparativa. 
A cadeia de hambúrgueres Norte Americana lançou uma ação no Halloween onde oferecia um Whooper a todos os que, através da sua aplicação, provassem que tinham passado no “sítio mais assustador do mundo”, referindo-se a uma zona onde estão fechados e abandonados 5 antigos restaurantes de fast food concorrentes, entre eles a McDonald’s e a Wendy’s.
Porém a publicidade comparativa não tem que ser agressiva, ela pode ser fun e abrir uma conversa inteligente a que o público poderá assistir e divertir-se ao mesmo tempo. Este tipo de campanha pretende falar “ao coração” dos indecisos e gerar uma cobertura de media acima do normal. É importante que as marcas estejam à altura, porque quando se inicia uma “guerra” deste tipo tem que se estar preparado para as retaliações. 
Deixo abaixo um exemplo entre as marcas AUDI e BMW.
Mas voltemos ao título e propósito deste artigo. Falar mal dos nossos competidores nas redes sociais apenas pode provocar danos na nossa própria marca ou negócio, manchar a nossa reputação e causar uma dissonância nos valores da marca e a sua perceção no consumidor a longo prazo.
Nos negócios como na vida, falar mal dos outros não faz de nós melhores, se promovermos uma conversa focada meramente nos defeitos dos concorrentes poderá demonstrar que não temos qualidades importantes do nosso produto para salientar.
Por outro lado, falar de forma positiva da concorrência ou até colaborar em conjunto, participar dos mesmos eventos ou até incitar à compra de produtos dos nossos competidores, vai, além de gerar good will, deixar um statement fortíssimo e uma demonstração de superioridade - “Não temos nada a perder”.
No fim sempre podemos aprender sobre agir para o bem comum em detrimento do bem individual, e divertirmo-nos enquanto comemos um Whooper. 

You may also like

Back to Top